Prefeitura Mun. de Jaguariaíva - 14 de novembro: Dia Mundial do Diabetes

14 de novembro: Dia Mundial do Diabetes

Hoje (14), é o Dia Mundial do Diabetes. A campanha tem como tema, este ano, “Educar para prevenir”, definido pela Federação Internacional de Diabetes (IDF), entidade vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS). A Secretaria Municipal de Educação Cultura e Esporte (SEMUS) apoia e participa da campanha do Dia Mundial do Diabetes e realiza, constantemente, ações como a distribuição gratuita de medicamentos, monitoramentos de glicemia nos postos de saúde, distribuição de insulinas, seringas, aparelhos de medição de glicemia para usuários que possuem diabetes do tipo 1 (dependente de insulina) e em todas as campanhas de prevenção, tais como o dia do idoso, atendimentos na área rural, entre outras.

Segundo a OMS e a IDF, o Brasil passará da 8ª posição do ranking mundial de portadores do diabetes para a 6ª posição em 2030. A pesquisa do Ministério da Saúde, publicada neste ano, verificou que 6,3% da população igual ou maior de 18 anos possui diabetes. Isso representa cerca de 8,3 milhões de pessoas. Estima-se que outras 3 milhões de pessoas desconhecem ser portadoras da diabetes.

Nas próximas duas décadas, os novos casos de diabetes vão crescer 54% no mundo, segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS). Em 2030, haverá 438 milhões de diabéticos no planeta. Nas Américas Central e do Sul, o crescimento será ainda mais acentuado (65%). Isso significa que quase 30 milhões de pessoas terão a doença em nosso continente.

 

 

Sinais e Sintomas

O desencadeamento de diabetes tipo 1 (dependentes de injeções com insulina) é geralmente repentino e dramático e pode incluir sintomas como:

·     Sede excessiva

·     Rápida perda de peso

·     Fome exagerada

·     Cansaço inexplicável

·     Muita vontade de urinar

·     Má cicatrização

·     Visão embaçada

·     Falta de interesse e de concentração

·     Vômitos e dores estomacais, freqüentemente diagnosticados como gripe.

No caso do diabetes tipo 1, estes sintomas surgem de forma abrupta e, às vezes, pode haver demora na identificação. Já no diabetes tipo 2, esses sintomas podem ser mais moderados ou até mesmo inexistentes.

Não se sabe ao certo por que as pessoas desenvolvem o diabetes tipo 1. Sabe-se que há casos em que algumas pessoas nascem com genes que as predispõem à doença, mas outras têm os mesmos genes e não têm diabetes. Outro dado é que, no geral, o diabetes tipo 1 é mais frequente em pessoas com menos de 35 anos. Mas vale lembrar que ela pode surgir em qualquer idade.

 

Educação e Prevenção

O diabetes exige alguns cuidados que são para o resto da vida, tanto para o paciente quanto para a família. Ambos precisam tomar uma série de decisões relacionadas ao tratamento: medir a glicemia, tomar medicamentos, exercitar-se regularmente e ajustar os hábitos alimentares. Como as consequências do tratamento são baseadas nas decisões tomadas, é de extrema importância que as pessoas com diabetes recebam educação de qualidade, ajustada às necessidades e fornecidas por profissionais de saúde qualificados.

Sem a educação em diabetes, os pacientes estão menos preparados para tomar decisões baseadas em informação, fazer mudanças de comportamento, lidar com os aspectos psicossociais e, por fim, não estar equipado o suficiente para fazer um bom tratamento. O mau controle resulta em prejuízo para a saúde e em uma grande probabilidade de desenvolver complicações.

O papel dos profissionais de saúde em diabetes é essencial. Ele faz com que a pessoa com diabetes monitore sua saúde com escolhas e ações baseadas em julgamentos vindos da informação.

Procure as Unidades de Saúde do município e faça os testes de glicemia, verifique sua pressão e converse com profissionais de saúde para tirar as dúvidas. Outras informações: (43) 3535-2122.

e-max.it: your social media marketing partner