Prefeitura Mun. de Jaguariaíva - Jaguariaíva no combate à dengue

Jaguariaíva no combate à dengue

A Prefeitura Municipal, através da Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS), disponibiliza nesta pagina informações e condutas para o combate à dengue.

Localizado na região dos Campos Gerais, o município de Jaguariaíva apresenta como característica um clima úmido com temperatura média anual de 20°C, com estações bem definidas, presença de verões frescos e ocorrência de geadas frequentes. (Fonte: Projeto Florestas Municipais/PMJ)

 

Combater a dengue é dever meu, seu e de todos!

No inicio do verão, inicia-se o período de maior incidência de dengue no país devido às chuvas, o calor e a umidade relativa do ar. Visando uma melhor habilitação da comunidade jaguariaivense para o combate da dengue, constantemente, são realizadas pelos agentes de endemias do município visitas e inspeções técnicas em grande parte dos imóveis da zona urbana. Na maioria das vezes, estas inspeções são para orientar a população, garantindo resultados satisfatórios frente ao histórico de notificações de dengue em Jaguariaíva.

No município, foram notificados, durante o período de 2000 a 2010, apenas seis casos da doença. Em 2011, foi registrado um único caso. Vale ressaltar que todas estas notificações são casos de pessoas que contraíram a doença em outras localidades. Até novembro de 2011, não há nenhum caso de dengue desenvolvido dentro de Jaguariaíva.

 

O que é Dengue?

A dengue é uma doença que pode ser transmitida por duas espécies de mosquitos: Aedes aegypti e Aedes albopictus. Eles picam tanto durante o dia como à noite. Os transmissores, principalmente o Aedes aegypti, se reproduzem dentro ou nas proximidades de habitações, em recipientes onde se acumula água limpa (vasos de plantas, pneus velhos, cisternas, etc.). A transmissão pelo Aedes albopictus não é comum, pois o mosquito não costuma frequentar domicílios como o Aedes aegypti.

 

Sintomas e tratamento

Fique alerta aos sintomas da dengue!

Depois da picada do mosquito com o vírus, os sintomas se manifestam normalmente do 3º ao 15º dia. Esse período é chamado de incubação. O tempo médio de duração da doença é de cinco a seis dias. Só depois do período de incubação que os seguintes sintomas aparecem:

 

Dengue Clássica

• Febre alta com início súbito;
• Dor de cabeça;
• Dor atrás dos olhos, que piora com o movimento deles;
• Perda do paladar e apetite;
• Náuseas e vômitos;
• Tonturas;

• Extremo cansaço;
• Manchas e erupções na pele semelhantes ao sarampo, principalmente no tórax e membros superiores;
• Moleza e dor no corpo;
• Muitas dores nos ossos e articulações.

 

Dengue Hemorrágica

Os sintomas da dengue hemorrágica, no início da doença, são os mesmos da dengue comum. A diferença ocorre, com maior freqüência, quando acaba a febre e começam a surgir os seguintes sinais de alarme:

• Dores abdominais fortes e contínuas;
• Vômitos persistentes;
• Pele pálida, fria e úmida;
• Sangramento pelo nariz, boca e gengivas;
• Sonolência, agitação e confusão mental;

• Sede excessiva e boca seca;
• Pulso rápido e fraco;
• Dificuldade respiratória;
• Perda de consciência.

Na dengue hemorrágica, o quadro clínico se agrava rapidamente, apresentando sinais de insuficiência circulatória e choque, o que pode levar a pessoa à morte em até 24 horas.

 

Se você apresentar esses sintomas, vá imediatamente a uma unidade de saúde.

 

Modo de Transmissão

A fêmea do mosquito pica a pessoa infectada, mantém o vírus em sua saliva e o retransmite em novas picadas. A transmissão ocorre pelo ciclo homem-Aedes aegypti-homem. Após a ingestão de sangue infectado pelo inseto fêmea, transcorre nesta fêmea um período de incubação. Após esse período, o mosquito torna-se apto a transmitir o vírus e assim permanece durante toda a vida. O mosquito transmitirá o vírus em todas as picadas que realizar a partir dali.

 

Como ele se comporta? Como ataca?

O Aedes aegypti mede menos de um centímetro, tem cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas pernas. Ele costuma picar nas primeiras horas da manhã e nas últimas da tarde, evitando o sol forte. Mas, mesmo nas horas quentes, pode atacar à sombra, dentro ou fora de casa.

Este mosquito se caracteriza por ser um inseto de comportamento estritamente urbano, sendo raro encontrar amostras de seus ovos ou larvas em reservatórios de água nas matas. Em média, cada Aedes aegypti vive em torno de 30 dias e a fêmea chega a colocar entre 150 e 200 ovos de cada vez. Ela é capaz de realizar inúmeras posturas no decorrer de sua vida, já que copula com o macho uma única vez, armazenando os espermatozóides em suas espermatecas (reservatórios presentes dentro do aparelho reprodutor). Uma vez com o vírus da dengue, a fêmea torna-se vetor permanente da doença. Calcula-se que haja uma probabilidade entre 30 e 40% de chances de suas crias já nascerem também infectadas.

Os ovos não são postos na água, mas milímetros acima de sua superfície, em recipientes tais como latas e garrafas vazias, pneus, calhas, caixas d'água descobertas, pratos de vasos de plantas ou qualquer outro que possa armazenar água de chuva. Quando chove, o nível da água sobe e entra em contato com os ovos, que eclodem em pouco mais de 30 minutos. Em um período que varia entre cinco e sete dias, a larva passa por quatro fases até dar origem a um novo mosquito. (Fonte: Ministério da Saúde)


“Para botar a dengue para correr, ninguém pode ficar parado, muito menos a água.”
 

Veja abaixo os principais cuidados que devem ser tomados:


 

Notificação para limpeza de lotes

Lotes notificados 

 

Denúncia de focos

 Se você souber de um local que não esteja observando as orientações de prevenção contra a dengue, propiciando o acúmulo de água parada, denuncie à Secretaria Municipal de Saúde.

Telefones:
(43) 3535-2122 - Setor da Dengue

(43) 3535-3064

E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

 

“População informada, população respeitada.”

e-max.it: your social media marketing partner